Portal dos Movimentos Sociais


Newsletter

Notícias

Publicada em 26-04-2018 às 11h07 e visualizada 429 vezes




Araruna mapeia novos roteiros de aventura

Araruna mapeia novos roteiros de aventura

por Márcia Dementshuk

O município de Araruna se posiciona como nova opção para o turismo de aventura na Paraíba. A Secretaria Municipal de Turismo incentiva a elaboração de roteiros e trabalha para maior segurança no destino. Além dos cânions para caminhadas ou trilhas para bicicletas, em meio a serras verdes, quinze sítios arqueológicos com inscrições rupestres foram catalogados pela equipe de técnicos e especialistas que fazem o levantamento das atrações. Rapel, arvorismo, tirolesa, cultura, gastronomia e experiência rural também estão nos programas.

Secretário municipal de Turismo, Edvaldo Costa – Foto: Márcia Dementshuk / Divulgação

Quando se fala em Araruna, se remete ao Parque Estadual da Pedra da Boca, conhecido até fora do Brasil. A diferença é que, em Araruna, as atividades iniciam no alto da serra. A cidade tem menos de 20 mil habitantes, está a 580 metros de altitude, tem um clima sempre fresco e vegetação abundante. O secretário municipal de Turismo, Edvaldo Costa, acredita na vocação turística a qual, segundo ele, nunca foi explorada completamente.

“Estamos investindo na infraestrutura para inserir as rotas no mercado e planejando as políticas públicas. Já implementamos o Plano Qualifica Araruna, para os setores relacionados como hotelaria, condutores, bares, restaurantes e o comércio em geral, visando a recepção excelente ao turista. Contamos com a disposição para o trabalho dos jovens mais carentes do nosso município, com menos oportunidade para conseguir um emprego”, ressalta o secretário.

Edvaldo salienta que a prefeitura aposta na parceria público privada – classe empresarial, comunidade e poder público: “Temos que estar com a mesma visão. O plano só vai acontecer se todo mundo der as mãos. O turismo é uma saída para nós, gerando emprego”.

O município tem bares, restaurantes e pousadas típicas de clima serrano, algumas, inclusive, com lareira, acendida nos dias mais frios. Walfredo Juno abre o Requinte Bar e Petiscaria nas noites de terça a sábado, com música ao vivo e está preparado para o movimento. “Araruna é uma cidade centenária e o potencial turístico deve ser divulgado. A cidade tem vida noturna, uma casa de shows planejada e bem construída que comporta 1.500 pessoas”, acredita o comerciante.

Canion do Macapá – Foto: Rogério Ferreira / Divulgação

O carro-chefe dos atrativos é o turismo de aventura, o que exige uma natureza preservada; por isso, é vetor de desenvolvimento econômico sustentável. Segundo o Planejador Ambiental Rogério Ferreira: “É uma prática de experiência na natureza onde pessoas comuns são conduzidas por ambientes remotos, ou não comuns a sua rotina diária. Aventuram-se pelos obstáculos naturais ao longo do trajeto, assistidos de forma preventiva, por um condutor capacitado.” Em Araruna incluem-se as trilhas, cavalgadas, ciclismo, arvorismo, tirolesa, rapel e escalada; vivências nos ambientes rurais, exploração de sítios arqueológicos, enfim, atividades de caráter recreativo e educativo.

Araruna, Baraúna e Cuité formam Fórum Turístico

O Parque Estadual Pedra da Boca fica em Araruna; contudo, esse município não se beneficia com o fluxo turístico gerado por lá. A cidade está há cerca de 20 ou 30 minutos de carro, subindo a serra, mas o turista acaba por não tomar conhecimento de seus atrativos.

Atualmente, Araruna consta no Mapa do Turismo Brasileiro, junto a outras 100 cidades paraibanas. É um instrumento que destaca municípios que adotam o turismo como estratégia de desenvolvimento e norteia a definição de políticas públicas. A representação junto ao governo federal se dá por meio de regiões, através do Programa de Regionalização de Turismo, sob a gestão de Alessandra Lontra, na Paraíba: “Há nove regiões turísticas delimitadas na Paraíba; Araruna faz parte da região do Seridó e Curimataú, junto com os municípios de Cuité e Baraúna. Esses três devem formalizar um Fórum Turístico que trabalhe de forma compartilhada. Por enquanto, há somente dois fóruns legalizados, na Paraíba – Fórum de Turismo do Vale do Paraíba e o da Trilha dos Potiguaras. Os editais públicos federais são direcionados para o desenvolvimento das regiões, e não de municípios isolados”, esclarece Alessandra Lontra.

A equipe da Secretaria de Turismo de Araruna se empenha para articular um encontro com representantes de Cuité e Baraúna para iniciar os trabalhos de formação desse fórum. Para Alessandra, Araruna está no caminho certo, trabalhando as políticas municipais e buscando conciliação na região. “Eu indico ainda que se formem bancos de projetos com trabalhos planejados, pois o prazo de alguns editais é curto e o município ganha em agilidade”, orienta a gestora.

PBTur divulga ícones do turismo na Paraíba

Pedra da Boca – Foto: Carla Belke / Divulgação

A PBTur trabalha com a promoção do turismo ressaltando ícones do estado como um todo. A Pedra da Boca é um desses ícones. “Nós olhamos a Paraíba como um todo e destacamos os principais pontos, como o Lajedo de Pai Mateus, a Pedra do Ingá, o Vale dos Dinossauros, o São João de Campina, o litoral e a própria Pedra da Boca, entre outros. Não fazemos um trabalho localizado, em cada município, mas levamos para o conhecimento do público externo os atrativos consolidados do estado. O parque [Pedra da Boca] é divulgado em todas nossas ações”, garante a presidente da PBTur, Ruth Avelino.

Condutores locais usam apps globais

Os condutores de Araruna usam a tecnologia para mapear as trilhas e pontuar os atrativos. Quando uma equipe perde a trilha em meio à mata fechada um app é a salvação! Alguns operam offline. Foi o que ocorreu com nossa equipe na Trilha da Serra Verde. Ricardo Henrique Câmara,  gerente de Turismo do município, cresceu brincando nas trilhas; mas a paisagem mudou, a vegetação cresceu e ele não encontrou a saída. Não tínhamos visão. O condutor Mateus Targino da Silva mapeava o local com o aplicativo Wikiloc e obteve sinal de Internet, pelo qual atualizou nossa localização. Abrimos uma picada e recuperamos o trajeto. Isso é aventura!

Trilha da Mata da Forca – Condutores Rudson Cruz, Mateus Targino e Anderson Aguiar – Foto: Márcia Dementshuk / Divulgação

Na trilha da Mata da Forca, feita no dia anterior, os condutores Rudson da Cruz Silva e Mateus   marcaram no Wikiloc os trechos de maior dificuldade, as inscrições rupestres e ainda as pegadas de um pequeno mamífero, possivelmente uma jaguatirica, que apareceu pouco antes da nossa passagem, para tomar água. O Wikiloc tem mais de 1,3 milhão de membros pelo mundo, que já compartilharam mais de 3 milhões de trilhas e 5 milhões de fotos. “A tecnologia ajuda o condutor a ter mais domínio sobre a trilha e organização. E é um meio de divulgação”, completa Rudson.

 

Fonte: http://oconciergeonline.com.br/araruna-mapeia-novos-roteiros-de-aventura/

 

 

 

 






Copyright © 2018 Movimento social | Todos os direitos Reservados

Fractal Midia