Portal dos Movimentos Sociais


Newsletter

Notícias

Publicada em 10-07-2017 às 15h33 e visualizada 2552 vezes




Com apoio de financiamento coletivo, Uneafro segue luta por igualdade

Com apoio de financiamento coletivo, Uneafro segue luta por igualdade

“O resultado final do trabalho foi além do recurso em si. Significou um endosso, um fortalecimento, uma reafirmação e uma credibilidade para o nosso movimento. Tudo isso vai ser muito importante para nós”, avalia o coordenador da União de Núcleos de Educação Popular para Negrxs e Classe Trabalhadora (Uneafro), Douglas Belchior. O trabalho mencionado foi a campanha de financiamento coletivobem sucedida, que vai permitir a manutenção e a ampliação de ações da instituição até o fim de 2017.

A campanha #Uneafroresiste superou a meta flexível de R$ 59 mil, com apoio de 559 pessoas. “Sempre nos organizamos e nos financiamos. Tivemos pouquíssimas experiências de busca de recursos, tanto no Estado, quanto no terceiro setor. Então, resolvemos, depois de quase 10 anos de existência, experimentar essa iniciativa que foi um sucesso”, afirma. A quantia total arrecadada foi de R$ 66.912. 

Douglas explica que os recursos terão basicamente dois destinos. “Vamos conseguir, conforme o combinado, manter nosso escritório aberto, nossa pequena estrutura que funciona na Rua da Abolição, no centro de São Paulo, com os custos de funcionamento do local com duas pessoas disponíveis para articular a rede de cursinhos populares, fazer um trabalho de assessoria, de busca de novos recursos, de busca de novos estudantes e assessoria pedagógica”, afirma. Hoje, a rede Uneafro conta com 30 cursinhos comunitários em todo o Brasil.

Já a outra aplicação do dinheiro tem relação com a ampliação das atividades da Uneafro. “Vamos produzir um material didático com conteúdos de cidadania, formação política e diversidade. Estará lá a luta pela democracia contextualizada com demais temas da atualidade, sobretudo contra o golpe, contra reformas que são formas de retroceder no tempo em décadas”, afirma sobre a agenda política adotada por Michel Temer, que prevê, em suas reformas trabalhista e da Previdência, arroxo e retirada de direitos. “As reformas atingem fundamentalmente as famílias de jovens que estão em nossos cursinhos, então, levar essa informação, aproximar esse debate é muito importante”, completa.

Os objetivos do cursinho popular, como explica Douglas, também são, fundamentalmente, divididos em dois: trazer qualidade de vida a populações marginalizadas e fornecer educação política. “Existimos para isso, atender uma demanda que a sociedade impõe, que é o acesso à universidade para ter um bom emprego e melhores oportunidades de trabalho. Com isso, tirar o negro da linha de tiro, tirar as famílias da miséria e mudar a realidade local. E isso deve ser acompanhado por uma formação político ideológica. Não adianta a pessoa ascender socialmente e usar isso para interesses individuais, privatistas e conservadores.”

O coordenador da Uneafro explica que as ações da organização não são novas, nem foram iniciadas por eles. “O movimento de cursinhos populares para negros é a continuação de uma luta histórica. A luta da população negra pelo direito de acesso à educação. Este debate sempre foi tema central para a elaboração política do povo negro organizado desde antes do fim da escravidão. Então, temos movimentos rebeldes negros, em especial na revolta dos Malês, onde o fato de ser um grupo letrado foi fundamental para a articulação política daquele coletivo”, afirma, sobre o processo que aconteceu durante o período regencial do país, em 1835.

“Mesmo a movimentação abolicionista tinha muita força e apelo de legitimidade política, de intervenção política, força política, porque também era algo articulado por jovens negros liberais, na época, que tinham acesso às letras. Eram eruditos, tinham acesso ao conhecimento”, explica. Na época do Império (1822-1889), chegaram a criar leis para impedir os negros de frequentar escolas. “Mais do que direito ao acesso à educação, o próprio conteúdo sempre foi alvo de disputa da luta negra. Não adianta eu colocar meu filho negro na escola se lá ele vai ter acesso a conteúdos racistas”, afirma.

 

Nossa campanha de financiamento coletivo foi linda demais!

Gratidão eterna para cada um dos 540 doadores que nos fez atingir 110% de nossa meta. Mas não apenas:

Gratidão a cada amiga/o que emprestou seu rosto, sua voz e sua história para promover nosso trabalho nos vídeos de apoio;

Gratidão a todas e todos que curtiram, compartilharam, espalharam nossa campanha em todo país e no mundo e que torceram por nós!

Gratidão à cada estudante de nossos cursinhos, cada professor voluntário, cada militante e apoiador do movimento UNEafro Brasil.

Estamos aqui felizes e orgulhosos em conseguir reunir tanta gente boa, comprometida e iluminada em torno da causa da igualdade e da justiça para o povo negro, indígena, pobre, mulheres e Lgbt"s. Mais que a doação em dinheiro, vale muito o gesto de solidariedade e a demonstração de confiança e credibilidade em nosso trabalho.

Seguiremos a fazer nosso melhor para organizar jovens negros e periféricos através da educação popular, da luta por acesso a universidade, a oportunidades de trabalho e renda e à uma vida digna.

Asé!

 

RBA






Copyright © 2018 Movimento social | Todos os direitos Reservados

Fractal Midia