Portal dos Movimentos Sociais


Newsletter

Colunas

Publicada em 01-06-2011 às 09h00 e visualizada 1758 vezes



Um Pouco da Nossa História

Um Pouco da Nossa História

Já estou no movimento sindical há bastante tempo, e creio poder fazer uma avaliação do nosso movimento a partir de uma visão bastante realista. Primeiro temos que dividir os momentos políticos em dois tempos: antes e depois do governo LULA. Antes do governo Lula o direito a greve era totalmente desrespeitado e a opressão contra quem deflagrava um movimento paredista era clara. Isso porque o capital se sobrepunha sobre a classe dos trabalhadores de maneira avassaladora e os mínimos direitos eram desrespeitados.

O então governo queria repassar para a sociedade uma idéia de que o privado era bom e o público era ruim e ineficiente, iniciando assim um ciclo de privatizações no qual o Brasil foi loteado e até hoje pagamos o preço desta enorme irresponsabilidade, para não chamar mesmo de desonestidade.

No movimento sindical a CUT se destacou como uma trincheira de luta para coibir tal prática e de certa forma se não fosse a luta da CUT, o estrago teria sido imensamente pior. Veio então o governo LULA; e o trabalhador saiu de um patamar de opressão, para a mesa de negociação com o governo passando a receber os sindicalistas e a pactuar acordos, realizar conferências a exemplo da Conferência Nacional de Saúde, comunicação, cidades, segurança etc., democratizando assim algumas políticas públicas.

Os conflitos foram muitos, afinal de contas o governo também representa interesses dos empresários, indústrias, banqueiros etc. e se estabeleceu uma luta mais consistente, dentro de um ambiente em que tínhamos o presidente da república, um exsindicalista. o primeiro governo Lula houve uma certa acomodação, e só passamos a ter ganhos mais consistentes quando fomos às ruas e empunhamos nossas bandeiras de luta, fato que se deu próximo ao fim do governo Lula 1, já que quase todo movimento sindical votou em Lula, e alguns pensavam que tudo cairia do céu.

Daí em diante a CUT passou a encabeçar as principais mobilizações que mudaram a vida da sociedade brasileira, a exemplo da luta pela valorização do salário mínimo, que redundou em uma forma de reajuste de acordo com o crescimento do PIB - Produto Interno Bruto.

Alguma outras Centrais também se insurgiram, mas no entanto com um discurso sectário e descoordenado, onde intencionalmente, procuravam desgastar o governo, apostando no "quanto pior melhor", em detrimento da resolução dos problemas através da unidade dos trabalhadores. Outras apenas para receber o imposto sindical. Hoje, avançamos, e a minha expectativa é de intensificação dessa luta, afinal de contas o capitalismo vem tentando avançar de maneira voraz; basta ver os passos que querem dar dentro das Universidades, tentando terceirizar o serviço público, e nos Bancos, onde apesar dos lucros estratosféricos não dividem nada com os trabalhadores.

Além disso, o governo Dilma teve início com o corte orçamentário na ordem de 50bi, e não podemos admitir que a corda arrebente nas costas do trabalhador mais uma vez. Vamos a luta avançar nas conquistas e melhorar a qualidade de vida do trabalhador.






Copyright © 2017 Movimento social | Todos os direitos Reservados

Fractal Midia